Todas as obras construídas no solo precisam estar apoiadas sobre estruturas, que se responsabilizarão pelos esforços necessários de uma edificação.

Essas estruturas são chamadas de fundação, que é o termo na engenharia para designar as estruturas responsáveis por transmitir as cargas das construções ao solo.

Devem ser dimensionadas e especificadas por um engenheiro calculista, levando-se em consideração o tipo de solo sobre a qual ela estará apoiada, o material utilizado, e a carga da construção a qual ela apoiará.

De um modo geral, fundações são divididas em rasas ou superficiais, e profundas:

FUNDAÇÕES RASAS OU SUPERFICIAIS são aquelas em que a carga é transmitida ao terreno, predominantemente pelas pressões distribuídas sob a base da fundação. A profundidade de escavação é inferior a 3 metros e são utilizadas em cargas leves, como residências, ou no caso de solo firme. Incluem-se neste tipo de fundação: sapatas (corrida ou associada), bloco de fundação, radier e viga de fundação.

Sapata: elemento de concreto armado, geralmente quadrada, retangular ou trapezoidal, dimensionado de modo que as tensões nele produzidas, sejam resistidas pela armadura e não pelo concreto. A sapata corrida recebe a carga distribuída linearmente. A sapata associada recebe vários pilares, cujos centros não estão no mesmo alinhamento.

Bloco de fundação: elemento com base quadrada ou retangular, com elevação que se assemelha a um pedestal e absorve a carga, distribuindo-a sem a necessidade de armadura.

Radier: Semelhante a uma placa que abrange toda a área da construção, recebendo toda a carga e distribuindo-a no terreno.

Viga de fundação: elemento comum a vários pilares, cujos centros estão no mesmo alinhamento.

FUNDAÇÕES PROFUNDAS são tipos de fundação que transfere cargas de construção para a terra, mais abaixo da superfície do que uma fundação rasa para uma camada subsuperficial ou uma faixa de profundidades.

São elementos que transmitem a carga ao terreno pela base, pela superfície lateral ou por uma combinação das duas, sendo utilizadas em casos de grandes projetos, como edifícios altos, nos quais os esforços do vento se tornam consideráveis, e nos casos em que o solo só atinge a resistência suficiente em grandes profundidades, superior a 3 metros.

Os tipos mais comuns são as estacas, tubulões e caixões.

Estacas: Elemento executado inteiramente por equipamentos ou ferramentas, sem que, em qualquer fase de sua execução, haja descida de operário. As estacas têm grandes comprimentos e seções transversais pequenas, podem ser de madeira, aço, concreto pré-moldado, concreto moldado in loco ou mistos.

Tubulões: Elemento de fundação profunda, cilíndrico, em que, pelo menos na sua etapa final, há descida de operário, e pode ser feito a céu aberto ou sob ar comprimido (pneumático) e ter ou não base alargada. Pode ser de aço ou concreto, com ou sem revestimento.

Caixões: Elemento de forma prismática, concretado na superfície e instalado por escavação interna, podendo usar ar comprimido sua base, podendo ser alargada ou não.

Imagem: Guia da Engenharia